Alice Prosa e Poesia

Um pouco de mim...

Textos

POESIA PARA UMA PEDRA


Sei que não falas a minha língua e nem eu entendo em qual idioma me desprezas. 
Mas quem dera, ouvisses-me, compreendendo-me!


Quem dera que, mesmo calados, entendesses que tenho eu muito mais a dar-te que tu a mim!

Quem dera o nefasto de teus longos braços, que hoje me alcançam e me destroçam, sucumbisse, à luz do entendimento!

Sei que a vida é perda, o tempo todo. Aprendi isto contigo e aprendi cedo, mas quem dera, o olhar que me negas ao menos te visse a ti, por dentro, e te cegasse das tuas monstruosidades!

Sei que me poupaste ao acaso, e só ao acaso devo o que me resta de vida inocente, mas quem dera fosse minha a vida a salvar-te da tua!

Quem dera descesses à minha trincheira, que hoje me obrigas a cavar com as minhas próprias mãos rubras de sangue, e visses, daqui de baixo, o mesmo céu azul que eu via, antes do teu sobrevoo!

Quem sabe aprenderías a minha língua e eu a tua, e aprendendo-a, te ensinaria que existem outras coisas a se fazer na vida, além de fechar caminhos.

Quem sabe me ensinarías a tecnologia com que fabricas as tuas bombas e eu, aprendendo-a, transformaria em saudáveis as tuas veias podres, e te daria século e meio de novas possibilidades.

Quem sabe converteríamos juntos a pedra que és, em água límpida, e irrigaríamos outros áridos solos. Quem sabe daríamos boas sementes.

Quem sabe houvesse tempo de não permitir-me crescer assim, tão parecida contigo.
 

.
.

.
.
.
.










Créditos da foto para Reza Deghati, fotógrafo da National Geographic – em 2004

A menina é uma criança afegã, sobrevivente de uma zona tribal pashtun.



Este texto faz parte do Exercicio Criativo. Leia os outros autores.
Acesse o link:

http://encantodasletras.50webs.com/poesiaparaumapedra.htm


Alice Gomes
Enviado por Alice Gomes em 22/07/2013
Alterado em 22/07/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras